Guaxupé, domingo, 16 de junho de 2024
Saúde

Casos da febre oropouche saltam de 4 para 72 em Minas em quatro dias

quarta-feira, 5 de junho de 2024
Casos da febre oropouche saltam de 4 para 72 em Minas em quatro dias Foto: Divulgação

"Não há casos graves e nem morte vinculada a essa doença", informa Fábio Baccheretti

Os casos de febre oropouche aumentaram cerca de 1.700% em quatro dias em Minas.

Saltaram de quatro para 72, a maioria do Vale do Aço.

Apesar do crescimento expressivo, o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, diz que não há motivos para alarmismo e informa que não será necessário reforçar a rede hospitalar para atender pacientes.

 
"Ela não gera internação. Não há casos graves e nem morte vinculada a essa doença, que tem sintomas parecidos com a dengue e, especialmente, a chikungunya, como febre, dor de cabeça e dor nas articulações", explicou o secretário.
 
A pasta informou que está acompanhando a evolução dos casos e a investigação epidemiológica no Estado, por meio do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs-Minas).
 
Casos de oropouche em Minas
  • 1 em Congonhas (região Central)
  • 1 em Gonzaga (Vela do Rio Doce)
  • 1 em Mariléia (Vale do Aço)
  • 2 em Ipatinga (Vale do Aço)
  • 11 em Timóteo (Vale do Aço)
  • 26 em Coronel Fabriciano (Vale do Aço)
  • 30 em Joanésia (Vale do Aço).

 
O que é Febre Ouropouche:
A Febre do Oropouche (FO) é uma doença causada por um arbovírus (vírus transmitido por artrópodes) do gênero Orthobunyavirus, da família Peribunyaviridae

A transmissão da Febre Oropouche é feita principalmente por mosquitos. Depois de picar uma pessoa ou animal infectado, o vírus permanece no sangue do mosquito por alguns dias. Quando esse mosquito pica outra pessoa saudável, pode transmitir o vírus para ela.

Os sintomas da Febre do Oropouche são parecidos com os da 
dengue e da chikungunya: dor de cabeça, dor muscular, dor nas articulações, náusea e diarreia. 

O diagnóstico da Febre do Oropouche é clínico, epidemiológico e laboratorial. Todo caso com diagnóstico de infecção pelo OROV deve ser notificado.
Não existe tratamento específico. Os pacientes devem permanecer em repouso, com tratamento sintomático e acompanhamento médico.

A prevenção se faz:
  • Evitar áreas onde há muitos mosquitos, se possível.
  • Usar roupas que cubram a maior parte do corpo e aplique repelente nas áreas expostas da pele.
  • Manter a casa limpa, removendo possíveis criadouros de mosquitos, como água parada e folhas acumuladas.
  • Se houver casos confirmados na sua região, siga as orientações das autoridades de saúde local para reduzir o risco de transmissão, como medidas específicas de controle de mosquitos.
(Com Hoje em Dia/Gov.br)
 
 

Comente, compartilhe!